[Confira][7]

Destaque
featured

JORNALISTA "SANDRA MOURA" LAMENTA PROFUNDAMENTE A MORTE DO REPÓRTER (SANTA RITENSE), BIU RAMOS E RELEMBRA UM POUCO DE SUA TRAJETÓRIA, CONFIRA.

A experiente jornalista, Sandra Moura, abriu parênteses na corrida eleitoral que disputa como candidata a presidente da Associação Paraibana de Imprensa (API), para manisfestar sentimentos de pesar após ter recebido a notícia do falecimento do grande repórter santa titense. "Biu Ramos". Em seu texto, Sandra, trás a memória histórias fantásticas da atuação profissional, destacando  a coragem e a visão que tinha a frente do seu tempo, Biu foi pioneiro do Novo Jornalismo na Paraíba.  Estas histórias incríveis com toda a certeza fará com que o agora saudoso (Severino Ramos), seja eternamente inesquecível.

"Recebi, com tristeza, a morte de Biu Ramos. Era daqueles repórteres que conciliava as técnicas habituais do jornalismo com a criação literária. A sua narrativa fazia lembrar a dos chamados novos jornalistas. 

Na década  de 1960,  o jornalismo ganhou impulso nos Estados Unidos com o new journalism, a expressão empregada para classificar a tendência de se introduzir  técnicas ficcionais na descrição de fatos reais. Entre os caras que adotaram esse modo de produção, Truman Capote, Tom Wolfe, Gay Talese e Norman Mailler. 

O new journalism teve repercussões em países latino-americanos. No Brasil, a revista Realidade e o Jornal da Tarde revelaram grandes repórteres que seguiram essa linha.

Na Paraíba, um dos caras que sempre achei um representante desse modo de fazer reportagem era Biu Ramos. O tema do crime – tão recorrente na produção do new journalism – se comungava com o interesse de Biu Ramos pelos assassinatos misteriosos, pelos fatos que não foram completamente revelados na notícia. 

Era um desses repórteres que operava com os recursos que conferem ao texto expressividade. Mergulhava nas histórias alheias, detinha-se a detalhes aparentemente insignificantes.

Nos seus textos, o leitor sente a pesquisa bem realizada, a história bem apurada, como no caso de  “A Chacina da Praia do Poço”. 
Em 1995, fui ao lançamento do livro de Biu Ramos, em João Pessoa. Dele ganhei uma dedicatória que guardo até hoje. Quando li “Crimes que abalaram a Paraíba”, tive mais certeza que, ali, pertinho de mim, tinha um repórter que abria possibilidades de o jornalismo se descobrir no terreno da expressividade. 
A verdade é que Biu Ramos pegava as histórias de angústias e horrores e ele transformava essas narrativas em reportagens que se apresentam na fronteira do jornalismo e da literatura."

Sandra Moura.
   Jornalista.

Fica aqui o registro como uma forma muito singela de homenagear esse grande conterrâneo que tanto nos orgulhou. (Severino Ramos), o eterno repórter "Biu Ramos"

Descanse em Paz!

Marcos Cavalcanti 

Marcos Cavalcanti

Marcos Cavalcanti é jornalista, e Mestre em Teologia. Trabalhou nas rádios Integração do Brejo de Bananeiras e Solânea FM de Solânea/PB - Nas Tvs, Gazeta e CNT/SP - Foi porta voz da Prefeitura Municipal de Santa Rita/PB - Atualmente é Assessor de Imprensa da Câmara Municipal de Santa Rita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar...